February 25, 2018

December 22, 2017

Please reload

Posts Recentes

Alimentação e Envelhecimento

December 5, 2017

1/1
Please reload

Posts Em Destaque

Alimentação e Envelhecimento

December 5, 2017

 

 

O corpo humano é uma grande máquina biológica que realiza inúmeras atividades ao mesmo tempo e, apesar de interligadas, muitas dessas atividades não dependem umas das outras. Tecidos são reconstruídos e renovados, proteínas transportadoras carregam substâncias para as devidas células. A cada pensamento e movimento ocorrem milhões de impulsos nervosos, se um inseto pica a pele, imediatamente, uma cascata de reações acontecerá para amenizar os riscos do veneno e manter esta incrível ‘máquina funcionando’.

E, como toda máquina, esta também precisa do ‘combustível’ ideal para cada função que será realizada. Para construir uma célula muscular o corpo precisará de proteínas, carboidratos, vitaminas, gorduras essenciais e minerais entre outros.

Onde pretendo chegar com toda essa conversa de corpo e máquinas? Para explicar como a fome é gerada, o nosso apetite é regulado a partir de todos esses acontecimentos.

Todos os seres vivos já nascem com a capacidade de sentir fome, com a intuição para buscar as fontes alimentares que o corpo necessita como exemplo, é comum algumas gestantes sentirem desejos estranhos por alguns alimentos, isso nada mais é do que o corpo apontando para alguma necessidade ou carência nutricional.

Já dizia Sócrates, “que o seu alimento seja o seu remédio”, é assim até os dias de hoje, a forma como nos alimentamos define como será a nossa saúde, como reagirá o nosso sistema imunológico.

Como se não bastasse a nossa necessidade biológica por alimentos, a humanidade também associou a comida aos eventos sociais e principalmente ao prazer. Comer é muito mais do que apenas necessidade, é cultural, pode unir e desunir as pessoas em qualquer evento.

É sério quando se usa o termo ‘desunir’, é comum dentro da nossa sociedade a segregação dos idosos, também por causa da comida, a sociedade demonstra um despreparo para acolher os idosos.

Junto com a velhice vêm as patologias que podem tornar os idosos dependentes de dietas específicas para levar uma vida melhor e, nas reuniões de família, festas e eventos, são poucos aqueles que têm o cuidado de se lembrar dos doces dietéticos, daquela porção que pode ser feita sem sal, cortada em pedaços menores, com o intuito de alimentar também quem possui necessidades especiais.

Marujo, em 2012, afirmou que algumas alterações ocorrem no organismo com o envelhecimento, o paladar e olfato se tornam pouco sensíveis, dificultando ainda mais a capacidade de comer com qualidade, o corpo tem a capacidade de traduzir as necessidades e carências nutricionais em fome e apetite reduzidas, e é bastante comum a inapetência nas pessoas idosas devido ao uso de fármacos. O autor ainda salienta sobre tendências à indigestão por causa da redução do ácido clorídrico estomacal.

Com tantas adversidades, o simples ato de comer torna-se bem difícil, a família, os cuidadores e responsáveis, possuem a tarefa de melhorar e adaptar a qualidade dos alimentos a esta nova linha de diretrizes, que irá variar de acordo com a individualidade de cada idoso.

Independente das fases da vida, a nutrição já é algo singular de cada pessoa, porque as necessidades sempre serão diferentes, alguns precisam de mais fibras, proteínas, carboidratos do que outros. Existe uma imensa pluralidade quando o tema é diversidade.

É importante sinalizar que alimentação é diferente de nutrição. Enquanto a alimentação está relacionada ao processo de assimilação dos alimentos que ingerimos, a nutrição está relacionada ao recebimento de nutrientes necessários para seu melhor funcionamento.

O que é preciso considerar para manter a boa qualidade na alimentação é uma avaliação bem detalhada do idoso, considerar as patologias, a saúde do trato gastrointestinal, se consegue mastigar, deglutir, quais são os limites para o sal e açúcar e, dentro desses parâmetros poder adaptar ao círculo familiar, por exemplo: festas de aniversário, ter a opção dietética se esta for uma necessidade, a fim de que o idoso não fique excluído. Em uma refeição em família, servir se possível a mesma refeição que todos irão consumir, porém adaptada a necessidade, com menos sal, com cortes adequados ou em forma de purês se for o caso.

A saúde depende de vários fatores como uma rotina saudável de atividades, alimentação adequada, medicação nos horários certos, acompanhamento profissional e a mais importante de todas, acolhimento e carinho para a saúde emocional, é isto que mantém a inclusão social do idoso e garante o seu bem estar.

 

 

 

Referências

MARUJO, J. Envelhecimento e Velhice: O Papel do Gerontólogo Social. III Jornada de Gerontologia Social. Universidade Católica Portuguesa- Centro Regional de Braga, 2012.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

©  2018 Hábitos de Nutricionista - Dra. Karina Bantin por SManzaro Assessoria Digital

Tel: (11) 95161-6224

Av. Brigadeiro Faria Lima, 1572 - Conj 203/204 - Pinheiros - São Paulo-SP 

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now